Respiração em águas abertas: como aperfeiçoar sua técnica

A respiração em águas abertas exige completo controle da respiração do atleta, por conta das ondulações e a necessidade constante de orientação. Por isso, é necessário adotar a técnica correta e saber identificar quando é preciso segurar o fôlego por algumas braçadas. Confira dicas para melhorar a sua técnica de respiração em águas abertas: 

1. Respiração bilateral

A respiração bilateral consiste em alterar o lado para o qual se levanta a cabeça para respirar. Aprimorar a respiração no sentido que tem maior dificuldade também é importante, já que com ela é possível contornar situações desfavoráveis como ondas ou marolas batendo no rosto, sol dificultando a visualização das referências ou bóias na direção oposta à da respiração.

Esse tipo de respiração dá mais equilíbrio no movimento e melhora o alinhamento corporal, evitando lesões no pescoço e ombro, que deixam de girar repetidamente para o mesmo lado. 

2. Respire o quanto sentir confortável

A respiração em águas abertas deve ser realizada de acordo com o que o atleta se sentir confortável, mesmo que isso signifique respirar em duas ou mais braçadas consecutivas.  

Em momentos tumultuados, como largadas ou contornos de boias, o ideal é reduzir a frequência de respiração, mantendo a cabeça mais tempo submersa, ajudando a controlar a ansiedade.

 

LEIA MAIS

Aprimore seu nado no triathlon

Você sabe por que a natação vem primeiro no triatlhon?

 

3. Inspiração e expiração

Respirar pela boca e inspirar pelo nariz pode ser a melhor forma de respiração em águas abertas. Você pode diminuir o risco de engolir água, levantando um pouco mais a cabeça, girando o rosto levemente para trás. Inspire nessa posição e, assim que colocar o rosto na água, expire. A dica é não continuar inspirando quando o rosto já estiver fora da água, pois isso toma segundos importantes da respiração.

É preciso, também, inspirar e expirar a cada contagem de braçadas e encher os pulmões suficientes para completar o ciclo. Durante a expiração, coloque todo o ar para fora e deixe os pulmões vazios, prontos para encherem novamente. A expiração submersa contribui para o fortalecimento dos pulmões, uma vez que o ar enfrenta a resistência da água para sair pelas narinas.

4. Oriente-se e, então, respire

Para enxergar referências de percurso, tire a parte do rosto da água e olhe para a frente, mas não respire ao fazer isso. Oriente-se, gire o rosto, voltando-o para o lado e para trás, e só então respire.

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *