Dicas para respiração em águas abertas

Em águas abertas, as ondulações e a necessidade constante de orientação exigem que o atleta tenha pleno controle de sua respiração, adotando a técnica correta e sabendo identificar quando é preciso segurar o fôlego por algumas braçadas. Porém, nem sempre essa tarefa é fácil e iremos te dar algumas dicas de como preparar sua respiração:

Respiração bilateral 

Aprender essa técnica é imprescindível pois ela te permite contornar situações desfavoráveis como ondas ou marolas batendo no rosto, sol dificultando a visualização das referências ou boias na direção oposta à da respiração.

Respire quanto quiser

Mesmo que executada a cada ciclo de braçadas (2×1), a respiração em águas abertas jamais será excessiva ou mesmo tão frequente quanto na corrida ou no ciclismo, modalidades nas quais não há necessidade de apneia durante alguma fase do movimento. O mais importante é se sentir confortável, mesmo que isso signifique respirar em duas ou mais braçadas consecutivas. No entanto, em momentos tumultuados — como largadas ou contornos de boias —, reduzir a frequência de respiração, mantendo a cabeça mais tempo submersa, pode ajudar a controlar a ansiedade, evitando a sensação de pânico ou afogamento.

Expire dentro d’água

Para minimizar o risco de engolir água durante a respiração em águas abertas, levante a cabeça um pouco mais que o normalmente executado na piscina e gire o rosto levemente para trás, como se olhasse por cima do ombro. Inspire nesta posição e, assim que colocar o rosto na água, expire. Não tente soltar o ar quando o rosto já estiver fora da água, pois isso tomará segundos preciosos na hora de inspirar.

Orientação primeiro, respiração depois

Para enxergar as boias e outras referências do percurso, tire parte do rosto da água e olhe para a frente — “como um jacaré”—, mas não respire ao fazer isso. Depois de orientar-se, gire o rosto, voltando-o para o lado e para trás; só então respire.

Faça séries na piscina usando um snorkel

O modelo de snorkel específico para o esporte é fixado na testa e centralizado em relação ao rosto. Ao utilizá-lo, o nadador não precisa tirar o rosto da água durante as séries, podendo observar a fase submersa de sua braçada e concentrar-se em manter a cabeça alinhada com o tronco e na altura correta.

Leia Também: Traithlon: Como e por onde começar?

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *